martes, 28 de agosto de 2018

HISTORIA GRUPO AFROSOCIALISTA


HISTORIA POLÍTICA AFRO ESPAÑOLA CAPITULO 18
Tienes derecho a permanecer negro, estúpido e ignorante  

GRUPO AFROSOCIALISTA





El grupo afrosocialista -entonces grupo negro- fue creado en Madrid  tras una reunión de los líderes negros  que en cumplimento de los acuerdos del I congreso panafricanista de España 2003 UCM .  James Valencia aso de afrocolombianos, Joe Illoasociación de nigerianos en España, Abuy Nfubea Federación panafricanista  y Luis Alarcón  Fundación Vida Grupo Ecológico Vverde, tras una reunión en febrero del 2004 con el entonces “desconocido” Jose Luis  Rodríguez Zapatero a la misma asistieron Mendiluce, Jordi Sevilla y Javier Martínez . En la misma, los líderes del movimiento negro le dieron su apoyo a ZP y le encaminaron a que abriera el partido a los negros ya que había y sigue habiendo mucho racismo institucional.  La victoria súbita de ZP tras los atentados este grupo, tomó a Jordi Sevilla y Rafael Simancas como portavoz ante el PSOE que encontró en la subida fulgurante de Pedro Zerolo un altavoz. En Mayo se procedió a la firma de un convenio de colaboración del PSMN con la Federación Panafricanista en presencia de la ministra e histórica dirigente feminista Matilde Fernández donde por primera vez se reconocía el termino y concepto de comunidad negra frente la estúpido concepto de colectivo sahariano, tan odiado por los negros.

Tras la confrontación entre ZP y Jordi Sevilla en pocos meses Pedro Zerolo se hizo con el control como suele ocurrir con los nuevos ricos comenzó a aislar a todas las mentes y gente de valor del grupo afrosocialista y a impulsar a las más mediocridad y folklore que le adulasen y a instrumentalizar las divisiones y ambiciones de algunas líderes negras en el seno de los organización Fundación Vida Grupo Ecológico Verde. Siendo el hecho más grave cuando al entonces militante de base secretaria participarla dela fundación Consuelo Cruz fue invitad ala cumpleaños de ZP –maniobras de Pedro y Miguel Angel – a los actos del primer aniversario del gobierno de ZP sin comunicarlo a la dirección del movimiento negro que había dado lugar y sostenía el grupo afrosocialista. Consuelo se le abrió un expediente  disciplinario recogido en los estatutos de la fundación por  deslealtad y fue dado definitivamente de baja de militancia tras una reunión del patronato de la fundación en 2005.  Para afianzar su poder y controlar los tres grupos u organizaciones sectoriales de participación y Diversidad que eran: el

Grupo árabe, latino y negro, apoyó la opción encabezada por las formas discurso muy folklórico y apenas base social ni proyecto. Esta decisión provocó la desbandada  de los militantes más comprometidos con más de 20 años con carnet socialista algunos como Laura Victoria o Marcelino Bondjale desde los tiempos de Tierno Galván fueron marginados. Las mujeres y hombres que están do a favor de los derechos civiles de los LGTB como matrimonio homosexual pero no se querían ver fagocitado por el fuerte lobby LGTB que demás PSEO nombró a un chico blanco del lobby gay al frente del oficina afrodescendiente de la AECI, este en vez de apoyar la expresión asociativa de comunidades negras como advierte la ley, inicio por orden de Zerolo una guerra sin cuartel contra el movimiento negro español  impulsora de ley de cooperación con pueblo afrodescendientes  y poco a poco abandonaron el PSOE. Y se centraron en consolidar el proyecto de la federación panafricanista en lugares como Murcia, Almería, Asturias, Barcelona, Bilbao y Madrid,  otros  como Rigoberto se vincularon a Izquierda Unida. El otro  grupo recaló en la calle Génova siendo parte de la comisión nacional de inmigración del PP, cuyas propuestas se  aprobaron durante el congreso de Valencia recibieron el apelativo despectivo de afroderecha y también afro-sionista debido a los acuerdo entre en la Federación  comunidades negras y la Federación de comunidades judía de España. Mamadou Ndondg, el entonces presidente del Movimiento Panafricanista en Huelva lo recuerda así:

“Zerolo nos llamaba las provincias y nos decía tenéis que desacero de Abuy, es un sionista peligroso apoya el genocidio palestino del estado judío. Además él está recibiendo mucho dinero de los judíos ¿y Vd que?. Viajé a Madrid y me reuní con la dirección en la sede Granvia.  Rafael que entonces era responsable de movimiento sociales, Luis Alarcon, Abuy y  Tcham . Me dijeron que el pueblo sufrido es un pueblo que ha sufrido como nosotros y por tanto debemos sentir simpatía como cualquier otro pero Alarcon insistió: al igual que Malcolm x había invita do a Rockwell y Garvey al KKK, los cimarrones tenemos derecho a establecer alianzas estratégicas de los que el amo carece de legitimidad para enjuiciar ¿acaso esos negros tom te dan de comer pagan facturas y se preocupan por ti?  ”

Estas intoxicaciones provocaron el enfrentamiento de las asambleas panafricanistas de Cádiz, Córdoba o Valencia donde algunos se fueron a su casa. En  2008 por mediación de Gustavo de Aristegui y Adolfo Luis.  Así fue como Consuelo Cruz se dio a conocer al frente del grupo afrosocialista.
Al margen de la consideración que nos pueda merecer la actuación de Consuelo Cruz, como cimarrones debemos reconocer que a pesar de carecer de un proyecto  político su trabajo al frente del Grupo estos años y sobre todo con los premios afrosocialista,  visibilizo la causa negra en el seno del partido socialista  y la izquierda progre obligando al resto de los partidos a tomar medidas similares y de paso reconocer el discurso cimarrón aunque fuera a regaña dientes  consistente en separar inmigración vs negritud. Salvo Amín que era  alguien dotado de una formación solidad y en parte Guísela, en la mayoría de los dirigentes del grupo afrosocialista  carecían de una personalidad política propia  y caían en el folklorismo  o sectarios  lo que les aislaba  de las bases de la mto negro, aspecto  que sus detractores dentro del PSEO  aprovecharon para atacarles  (continuará)

domingo, 26 de agosto de 2018

TESSIS SOBRE A CAMPANHA REAJA

TESSIS SOBRE O ÉXITO DE MARCHA CONTRA
O GENOCIDIO DO POVO NEGRO E CAMPANHA REAJA

Abuy Nfubea

Uhuru Afrika.- Torrente de Ardoz  um ano mais  sob o lema "Contra o genocidio preto ni um passo para tras" naquele aniversário de Marcus Garvey e o  da Escola pan-africana Winnie Mandela, um centro educativo afro-centrado e comunitário dedicado às crianças africanas no Brasil. Nos manifestamos em todas as ruas de Salvador da Bahia e em mais 50 cidades do mundo . Convocados pela 4ª Garveyista Internacional Panafricana, exigimos o fim do genocídio e os assassinatos contra a comunidade negra e os jovens que estão sendo assassinados no Brasil e na Colômbia por grupos paramilitares de retaliação da supremacia branca com a cumplicidade dos diferentes governos. Este ano Em uma atmosfera festiva, mas algumas dezenas de milhares de cidadãos chegaram a mais de cem treinadores de todos os pontos do Brasil e da Colômbia, vamos acompanhar os parentes dos líderes assassinados. Como líderes e membros da escola de educação política, é muito importante refletir sobre nosso processo de libertação, suas conjunturas epistemológicas e sua sistematização doutrinal e resposta às incertezas e desafios que nos propusemos. Essa reflexão nasce como parte das demandas dos povos afrodescendentes neste enorme processo que constitui a reconstrução identitária do povo Africano como nação; Mulheres e homens empoderados e orgulhosos de sua ancestralidade fazem parte dessa grande família kilombista, para isso desenvolveram vários produtos teóricos que destacam a beleza e a certeza na vitória da Revolução Cultural Africana, através da luta internacional. Devemos fazer uma revisão de quais são as prioridades e objetivos táticos da formação de quadros é uma saudaçom fraterna desejando que os debates desta 2 escola sirvam para reforçar a organização de vannguarda dos negros das crianças de campo de Zumbi e Ana Nzinga no mundo para derrotar não só o mestre, mas a estratégia do tio tom.

LIDERAZGO MUJERES

Uma das questões que discutimos moi to com Lio NzumbiAffiong L. AffiongEsther Stanford-Xosei, Andreia Beatriz, Senfo Tomkam, Luis Alberto Alarcon Valencia e o comandante Hamilton Borges Onirê, quando iniciamos esse processo de construção do internacional foi a questão da dimensão e independencia. A independência nacional negra será o resultado da guerra popular mediatica da liderança internacional do Garveyista, analisando a estratégia independentista Afro. 
Por um lado, a liderança histórica e decisiva das mulheres no sucesso da luta de libertação negra e, por outro lado, o internacionalismo africano, e vou analisar os dois fatores determinantes para o nosso sucesso em Salvador.
Mulheres como fator de empoderamento e liderança luta feminista em eixos principais internos e externos focados discussões para identificar e debates de endereços a serem tomadas como organização negra e esta foi a chave do nosso sucesso onde outros falharam. 
campanha REAJA como eixo de quartzo de encontros internacionais realizados no treino de reunião da organização das mulheres. O Afrofeminismo  afrocentrado e Pan-africanista, a criação de uma unidade de programa popular de feminização da violência Estatal contra povo negro  e têm sido os principais temas das mulheres negras debate nas discussões. As muleres  kilombitsa exemplificado pela vitória da referência imortal de Winnie Mandel. Eles têm sido anos de trabalho, abrindo espaço de discussão útil e proveitosa para identificar e debates de endereço nas favelas. Neste sentido, vamos nos concentrar no feminismo Garveyite ea criação de uma unidade de programa popular para melhorar as condições materiais de vida das mulheres lumpenproletaruidas favelas. Isso significa apostar na realização dos compromissos teóricos criando um programa afrofeminista unidade popular, a feminização da gestão da organização e violência policial no estado brasileiro que assassinatos diária maridos, filhos, irmãos, que têm sido os eixos o principal debate nestes anos de construção dos 4 países internacionaisA organizaçom socialista e feminista africana de libertaçom nacional acertadamente quebra o consenso entre o conjunto das "kilombistas" e forças panafricanistas respeito a denominada "4ª Internacional Cimarrón". O aquelle tempo a
 quarta Garveyista Cimarrona internacional ha pedido que todos os negros participem da marcha contra o genocídio africano, salvador da Bahia Brasil, muita força é hora de a voz dos negros ser ouvida em todo o mundo, eles não poderão mais calar a boca , somos uma nação em movimento, unimos em o slogam  Uhuru o libertade e Poder Negro frente a o projeco tio tom pequeno-burguês. 

DIMENçAO INTERNACIONAL DA INDEPENDENCIA NEGRA 

Este genocídio cometido com o silêncio complicie dos vários governos, a mídia de massa (O Globo, Caracol, RTVE, RNE, Prisa, a Agência Espanhola de Cooperação Internacional para o Desenvolvimento (AECID), a União Europeia, o Banco Desenvolvimento, das Nações Unidas, Organização dos Estados americanos, a Aliança Bolivariana para os Povos de Nossa América, União Africano, Casa America Madrid, Secretaria Geral Iberoamericana, a maior ONG e tios como Doudu Diene Pastor Elias Murillo CERD-ONU, UNESCO, etc. ... com isso silenciam e esvaziam o conteúdo da década dos povos afrodescendentes que os pan-africanistas conquistaram nas NAÇÕES UNIDAS.  A Manifestação questiona o atual sistema racista interdisciplinar institucional ibero-americano. As organizações internacionais estão tentando absorver a luta de libertação africana e criar um mercado, baseado no folclore que faz parte da lógica neocolonial, já que os negros não podem ser livres se nos matarem. E isso não é democracia, uma igualdade que não mais acontece para lutar contra o genocídio, a discriminação e a exploração, mas para conquistar a reparação através do PODER DO SOCIAL. Os frutos desse folclore conhecido incluem apenas setores sociais que podem recriar espaços que não são dinâmicas sociais, preocupações ocupacionais do Afro.  Não podemos falar de liberdade ou democracia se não é completa e não pode ser se a luta para alcançar recebeu o silêncio dela Iberoamericana minoria branca que controla o país e justifica os crimes e execuções extrajudiciais diária
como sempre disse Malcolm X e consciente dessa cumplicidade, fomos a esta marcha com orgulho saber como vítimas de crime, mas sobre combates na rua, nós orgulhosamente a bandeira da luta pela vida e paz e justiça Vermelho, Preto e verde. Hoje nós estamos lutando para a comunidade negra e recuperando como figuras presentes em toda a história do Brasil, que representam parentes de ativistas negros pelos direitos humanos e a vida que marcaram o nosso passado para nos fazer conscientes da necessidade de reverter o presente e ganhar o futuro.

DEREITO INTERNACIONAL

Consideramos como cimarrones que o "legalismo eo fetichismo democraticistas burguês empapa o conjunto do movimento garveyista unificado à volta do" direito à reparação "porque" Nem a movimento garveyista kilombista parece contemplar um cenário alternativo à "cimarronaje", nom ele preparado um plano alternativo para fazer frente à repressom que vai ser submetida a coluna vertebral do movimento soberanista, e muito menos a necessidade de articular as estruturas de contrapoder e mecanismos de acumulaçom insurgente consubstanciais a umha disputa de hegemonia que só se resolve pela Force ".
A reparação do genocídio é também a independência internacional que será o resultado da guerra mediatica popular. O processo Pan-africanista de campanha reaja é o dia frondoso da perna delgada do domínio blanco do bloco latino-americano oligárquico sobre a classe trabalhadora, as mulheres africanas e as nações subordinadas ao imperialismo branco. A última marcha em Salvador hoje atingiu uma dimensão de massa como conseqüência da combinação de um conjunto complexo de fatores. À prolongada e firme posiçom em defesa de black life matter, a organizacion kilombista de base, a reparação como horizonte político autogestão negra e da orentacion garveyista internacional da quarta que Ele tem caraterizado a Açom teórico-prática da esquerda independentista nas últimas cinco décadas, tem que acrescentar a linha plenamente soberanista garveyista, e basicamente a recente viragem panafricanista adotada por um setor destacado da grande burguesia negra tio tom articulada no ACEPIR - PT. Para nosotros a democracia nom é um conceito abstrato à margo da luta de classes e a Luta Nacional Africano como transmite a retórica do panafricanismo de kilombo X. 

ANALISTA DE COJUNTURA 


Ele sentiu que parte do sucesso da campanha vermelha é sua orientação ideológica em torno do Garveyismo. 
Ele se sentiu parte do sucesso da grade da campanha - diferente de outros movimentos negros baseados no marxismo - foi nossa orientação idólatrada em torno ao Garveyismo. Historicamente o  nigger Lover  é um filho bastardo do mestre, mas com enfático e semicategoricas formas perversas sua missão era semear a discórdia entre os eslavos: são eles que diria coisas para Dubois contra Garvey e vice-versa ou ataques contra ele Selassie acusando-o de apoio ditador Mangistu sua missão era evitar que excluídos e marginalizados da sociedade para organizar e juntar. Fingía apoio a Garvey mas então suporta a discussão FBI e tio Tom .
O nosso não deve ser pessoal porque o nosso contraditório a este tipo de  Nigger Lover é a natureza política devemos fugir deles, que procuram promover a disputa entre atores para apresentar os negros como iguais casa para o campo. Qualquer iniciativa de deixar o folclore e dar natureza política para o movimento preto foi confrontado pelos amantes de negros que atacam os kilombistasa nivel  internacional, enquanto eles falam de fumar ganja e dança perreo na praia. Sisters Isto não é novo, nem somos o primeiro nem os únicos por isso vamos continuar encontrados no caminho da insurgência africano Rastafari,, artistas populares acadêmicas e organizações sociais. Rastas verdadeiro comemora a marca a viagem de aniversário Marcus Garvey para Madrid e Lisboa em 1912 como um jovem correspondente do jornal londrino, Africano Orient Express, a 4ª Internacional Pan africanista, são herdeiros e continuar o legado de Marcus Garvey e sua organização, a Associação Universal melhoria preto (UNIA) e Comunidades Africano Liga fundada em 1914 e em 1922 teve uma adesão de 11 milhões de membros. E fazemos uma ligação para o Rastafari kilombo de P Howell. Porque quando eu assinei para Amy Jaques, todos Rasta é marroon e todo cimarron é Africano Pan-africanista e internacionalista. Há pan-africanista que não são rasta, mas todos os dreadlocks são por definição, pan-africanista, revolução, como canção de Bob Marley que eu tiro um xerife ou Zimbabwe, África unida.
 E quanto ele demonstrou na sociedade das nações da ONU: Rasta é política, não folclore é quantidade apreciável organização Rastafari que se juntou a este esforço por justiça e pan-africanismo: não é só emocional, mas em conjunto para construir um processo e que Requer um compromisso muito grande para chegar ao fim e não ser contaminado por Tio Tom e seus amantes negros. A partir desta forte identidade que nos une na experiência de veado e rastafári e vamos discutir em Madrid em Dezembro de saudar esse esforço e eu não chamar enfaticamente para a frente para a vitória. Não estamos sozinhos com os 200 milhões de africanos, cuja referência é o pan-africanismo, o caimarron, o rastafari e o garveyismo. 
Hoje nas democracias burguesas, ou melhor dito na ditadura da burguesia sob fachada democrática, nom é possivel que as maiorias. O atual Movimento Panafricanista latino-americano cuya vanguarda é campanha reaja de é como fruto da convergência destes três vetores. A importância do sucesso da marcha na Bahia não é apenas tanto - embora sim - na construção de memórias, conhecimento, força e grandeza de ÁFRICA, mas na elevação de nossos níveis de consciência. Uma das realizações práticas mais importantes desta marcha é elevar os níveis de consciência política africana em face de discursos abstratos. Mas o que a consciência negra significa para quilombistas garveyistas? É um assunto muito complexo e ao mesmo tempo simples de ser definido em poucas linhas, ao se fazer uma aproximação neste debate. Cheick Anta Diop definiu a consciência como um estado de maturidade. A questão que surge agora é: o que significa para o povo africano do Brasil estar “maduro”? Quando uma fruta está madura, ela é cortada da árvore. Nosso maior grau de maturidade ocorre quando, simbolicamente, somos capazes de nos cortar fora da Árvore. Em outras palavras, o exercício da nossa vida diária é feito pelas referências que adoramos, como Marcus Garvey, Selassi ou Powell. É o que chamamos de kilombistas culto da revolução, eo Partido dos Panteras Negras em tempos Ras Babi Babiker: De Phd para Phdo.
É uma situação paradoxal ... Os níveis de consciência são estágios ou estágios nos quais o ego é cortado de todas as zonas de segurança.

PENSAMIENTO COLECTIVO E CONCIENCIA NEGRA

As rebeliões nas plantations escravas como Palmaers (Brasil) San Basilio de palenque (Colômbia) ou a Revolução Haitiana ou a derrota do apartheid pelas mãos da grande espada de Winnie Mandela sempre dependiam de seu sucesso em um pensamento coletivo, portanto Não é nada novo ou uma invenção dos jipis, mas parte da história da resistência africana, como SaLsa, Samba, rap, hip-hop, bossa nova, reggee etc. O pensamento coletivo kilombista é totalmente oposto ao sistema NEOCOLONIAL eurocentrico atual que é governado por um pensamento individualista da supremacia branca y su tio tom. Portanto, é difícil de assimilar e aplicar . Nós precisamos de tempo, é um processo longo. Normalmente, antes de uma decisão, duas pessoas com idéias opostas tenderão a enfrentar e defender suas idéias ferozmente com o objetivo de convencer, ganhar ou, no máximo, atingir um ponto intermediário. O objetivo do pensamento coletivo é construir. Em outras palavras, duas pessoas com idéias diferentes colocam suas energias na construção de algo. Não é sobre a minha ideia ou a sua. São as duas idéias juntas que darão um novo produto que, a priori, não sabíamos sobre você ou eu. É por isso que a escuta ativa é tão necessária, na qual não estamos apenas preparando a resposta que vamos dar.
O pensamento coletivo nasce quando entendemos que todas as opiniões, as nossas e as diferentes, todas são necessárias para gerar a ideia de consenso. Uma ideia que depois de sua construção indiretamente nos transforma. O pensamento coletivo não se opõe a uma linha ideológica premeditada. não leva em conta o próprio sistema, a plantação. As ideias que surgem do pensamento coletivo são baseadas em um problema e na intenção coletiva de resolvê-lo. O sistema pode ser a preocupação individual que leva ao pensamento coletivo para encontrar novas soluções na rua. Ele quer corrigir erros e está pensando em se livrar de alguns dos sistemas de coexistência que se tornaram obsoletos. Não necessariamente na montagem, mas sim às vezes. Às vezes sem saber quem o alimentamos. Sem definir um "ponto médio". Sua existência é própria de si e somente o pensamento coletivo pode se descrever. E talvez seja um pouco louco. Às vezes podemos confundi-lo com iniciativas individuais que têm muita aceitação, mesmo que possam estar erradas. O pensamento coletivo pode ser observado olhando de longe e não em um dado fato. Não em uma ação concreta, mas em suas conseqüências a longo prazo. O pensamento coletivo é influenciado por ações individuais, mas estas, embora apoiadas por muitas pessoas, não são a expressão exata do pensamento coletivo. a marcha é a conseqüência de uma necessidade objetiva e histórica do povo negro e, sobretudo, de articular uma organização e um polo referencial contra o genocídio é a realização do pensamento coletivo de quilombists armados com suas próprias idéias.
Coragem, estamos aprendendo, somos capazes de alcançá-lo, só precisamos de tempo. Os diferentes níveis de consciência da luta negra que vão desde música, como Bob Marley para os debates na Internet, leituras de livros, líderes de louvor, após o exercício e liderança desses processos luta histórica como é a marcha do povo negro lançados pela primeiros 5 anos. Se o material (um Rastafari, pavor, comida saudável, música, etc.) me dá segurança, então estou amarrado a esse nível de consciência. O rastafari não é apenas uma imanência da ressurreição de Deus, mas sua realidade em propósito. O que Lenin chamou de empirecritismo e Garvey: fundamentalismo africano. Essa é a consciência. É muito mais fácil do que mudar uma luta negra em uma Júpiter Africano em andamento no Brasil, precisamente por causa da necessidade para o fundamentalismo Africano e dispersão histórica cultural do movimento consciência negra que permanece revolucionária. Negros preferem falar sobre rototoom festival, março, mas que Garvey já disse em sua biografia,
já que o nível de consciência ainda é muito baixo. Durante este 12 anos da campanha internacional IV Pan-africanista e REAJA temos tentado superar este jipismo dispersão criando instituições como Uhuru Afrika TV, www.malcolmgarveyuniversity.com, escola ou formação Winnie Mandela Pan-africanista que dirige a camarada Andreia Beatriz e é isso que Garvey.  Nosso propósito foi opor as lutas negras africanas locais Salvador é graças a esse esforço, em referência à vanguarda dos encantadores de serpentes derrota delos e amantes de Black Reggea Rototom e outros pan-africanismo e como chamado Baldw Lumumba. Portanto, a marcha representa precisamente essa vitória sobre o jipismo preto é a elevação dos nossos níveis de consciência através da Organização Mundial negro no Kilombo do século 21 e isso é muito importante porque mostra a ascensão e elevação do nível de consciência o que nos dá segurança interna, e paramos de confundir mapas com territórios, então entramos no mais alto nível de maturidade.
ousar o sucesso da marcha para preparamos um programa para aprofundar o tema do encontro pan-africano em dezembro na Espanha, no qual nosso líder, Hamilton Borges, será pela primeira vez. Tenemos confiança não é grande líder nosso Hamilton por sua honestidade, coragem e visao: ou nos guia para continuar pendurado ou tio Tom manter os olhos daqui  abertos. Antes do genocídio PRETO, isto representa um enorme esforço para a seção espanhola e portuguesa da IV Internacional, mas é uma demonstração prática de elevar o nível de consciência. Ou seja, se no Equador, Peru ou Argentina quilombolas lançaram a criação de preto (4 Garveyites internacional) organização política, não é sobre a adoração a procurar a sua ligação à mística, mas juntar-se para engrandecer o projeto coletivo e, assim, Consciência pan-africanista da prática: 

FRENTE A DISPERSÃO : ESCOLA WINNIE MANDELA

 Campanha REAJA a partir da linha de nossas ações falam sobre o nosso nível de consciência e hoje a liderança e vanguarda estão em Salvador e é  responsablidade do lutadores  repetir estes processos istorico em nossas comunidades, porque, como disse Garvey, "antes de ganhar o governo você deve ganhar o povo "e que é feito com eventos como a mosca que é o maior na história do Pan-africanismo, do Partido independente da cor 1908 em Cuba, Front preto urguayo 1930 ou a Frente negra brasileira em 1934. vamos ver como o -se nos dá ferramentas para aproximar os níveis mais elevados de consciência, que é a organização e avançar como RASTA nosso crescimento pessoal, social, orgânico, espiritual e coletiva.  A Consigna garveyista de crear instituições comunitárias e neste outro aspecto do sucesso de Reaja é sem duada foi: escola nacional Comunitaria de FORMAÇÃO Ee da ACCIO PANAFRICANISTA WINNIE MANDELA. A nostras crianças precisam da açã pan-africana açao e formaçao kilombista. Nosso objetivo acadêmico é uma formação educacional para todas as pessoas que querem conhecer e intervir na realidade a partir de uma perspectiva afrocêntrica. Construindo coletivamente maneiras de pensar e agir que nos permitem nos orientar em um mundo que nos ameaça e escraviza através de infinitas narrativas eurocêntricas carregadas de uma epistemologia colonial. Oferecemos cursos, seminários e mestrados nos quais abordamos as questões que mais interessam aos 200 milhões de africanos falantes de espanhol. Enfrentamos esse treinamento a partir de vários eixos de trabalho (pan-africanismo, poder negro, kemitismo, espiritualidade, internacionalismo, classe, mulheres, arte, descolonialidade, afro-centrismo).A actual instituição da Universidade é o enquadramento e o lugar à disposição de uma minoria social, que chegará às classes oprimidas e alienadas e às tradições políticas, científicas, culturais e revolucionárias que moldarão as realidades nacionais das Comunidades Africanas dos Estados Unidos. mundo em nom d'un maltestes modernitat e racionalidade científica. A escola tenta ser uma eina para servir de pan-africanismo e do conjunto das favelas para a formação política. Winnie Mandela é concebida como um projetor de maior importância na formação teórica pan-africanista e no quiluman clau amb l'objetiu para contribuir para a superação de manicômios e déficits nessa área, contribuindo para doar aos presentes e lares que o pan-africanismo, reparação e independência contra o genocídio dos elementos do povo negro por um l'aanlisi a transformação da realidade.

GARVEYISMO E ORIENTAÇAO TEORICA DA EZQUERDA BRANCA

O " Negro World", o jornal da UNIA foi praticamente o jornal não oficial do movimento sandinista na Nicarágua. Garvey Após a vitória da revolução russa, Garvey enviou mensagens de solidariedade a Lenin e Trotsky em apoio à revolução russa. Ho Chi Minh, o líder do povo Viet Namese era regular de reuniões de Garvey em Nova Iorque. O movimento de Garvey foi em solidariedade com as lutas dos povos oprimidos de todo o mundo. Para o sucesso de UNIA de Garvey com uma adesão de mais de 11 milhões de africanos em todo o mundo. Quando Marcus Garvey em 1915 rompeu com os comunistas para uma orientação tática não pode ser comparada com a questão de classe, mas a subordinação e, assim, a fraqueza teórica e conpectual. E embora a realidade Africano incorporado na análise marxista. É um paradoxo que deve dar uma pausa para os elementos mais honestos de movimento de esquerda negro que em sua fraqueza teórica e aparecem no mesmo lado e com argumentos semelhantes que os brancos nacionalistas certas, a oligarquia, o imperialismo, a burguesia europeia e eurocêntricas fundamentalistas religiosos reacionários de todos os países.

Claro, nós diferenciar entre preconceitos honestos e bem-intencionados desses camaradas para o pan-africanismo, a crítica malévola e conscientemente reacionária dos brancos que dirigem o pensamento marxista dos negros e seus conselheiros espirituais com martelo e negros comunistas foice. Isso deixou a Branca pequena burguesia radical, que procuram salvaguardar seus privilégios fundamentada no materialismo histórico, a opressão, a exploração brutal do trabalho e todos popular era a escravidão em massa, o colonialismo, Apartheid e hoje o genocídio polícial. Esta conferência aconteceu no meio do aprofundamento da crise do imperialismo. Foi uma conferência, livre de toda troskist, stanilist, PT, PTB, anarquistas, anti-globalização e todas as outras influências pequeno-burguesas obscurantistas e radicais, que são característicos do movimento anti-colonial no Brasil. É uma resposta internacional da classe trabalhadora Africano, armado com uma visão clara do futuro, trabalhando horas extras para trazer à existência, a 4ª Internacional Pan-africanista , a ferramenta de todos os trabalhadores africanos e camponeses pobres, dispersos em torno das favelas em todo o mundo, para derrotar governantes imperialismo canhotos petit burguesia branca e preta vender aulas na África, Brasil e Europa. e em todo o mundo.  O Concieto classe abstrata do marxista fora do materialismo histórico africano (escravidão) liquida a verddera interpretaçao da luta de classe e desarmes a Melhor dos nossos líderes contra os ataques dos nossos inimigos africano e do pequena burguesia neocolonialista branca mesma.
Na ausência de MNU -destruido por Lula eo movimento do seu membro milhões, a influência de ACEPIR e assim preto progesista cresceu. Em 2005, Gilberto Gill, organizou a conferência panafrican en Brasília, que foi assistido por intelectuais africanos, escritores negros e membros artista da força do PT. D
urante a minha humilde intervenção eu aviseiAs estratégias de Gilberto Gill das lutas não violentas e pacifistas, apreensão parlamentar do poder político e do anti panafricanismo de Luiza Barrios teve um impacto duradouro sobre aqueles que desempenharam um papel de liderança na luta pela independência africano como Ribeiro. Sendo panafricanist NÃO significa que você pode ser o que quiser ser. Panafricanismo não é apenas um conceito, mas é uma teoria; NÃO é uma porta aberta para o oportunismo que puede serve para liquidar a questão de classe dentro da nação Africano. o melhor do líder panafricanist Kwame Nkrumah, que organizou um todos os povos africanos na conferência december de 1958, teve uma enorme influência sobre Sobukwe de ocupados África do Sul e Lumumba do Congo, que copiou e as estratégias do pacifismo não violenta e que aprenderam com Nkrumah implementado. No Brasil hoje vemos mais gigantes do movimento de libertação africano: em REAJA Campanha. Juventude africano no Brasil, é o ser mais social, matou Porque os negros dentro do PT nunca construiu um tipo de organização que reconhece a necessidade de lutar, defender o nosso comunidade e derrotar a pequena burguesia africano e branco em si esquerdista neocolonial como condição prévia para a nossa liberdade.  Nós na 4º internacionais reconhecem que o documento resolução principal, produzido pelo companheiro Hamilton Borges, o presidente do Kilombo x adotado e foi votado pela grande maioria dos participantes, no ano anterior Este verão em Salvador Bahia. É um livreto-guia, que estabelece a base da unidade Africano na luta para derrubar o Brasil, Espanha, Chile, América Latina e imperialismo europeu e vender para fora regimes neocoloniais negros no Brasil e outros países da América.  Apela a todos os africanos dispersos em todo o Brasil, que entendem que somos um povo que partilham a mesma sorte e destino, para criar uma organização internacional e uma liderança revolucionária unida Isso vai acabar com nossa isolados uns dos outros, fazer todos nós responsáveis uns também outros e acabar com nossa dependência de aliados oportunistas internacionais. A conclusão da luta de libertação Nacional Africano, que foram traídos em todas as frentes pela pequena burguesia Africano, requer nada menos, mas o edifício Garveyist 4ª Internacional.

VIDA LONGA AO HAMILTON BORGES

Entre o homem eo mito, nas dobras de uma vida ingredientes de um gênio no auge Marcus Garvey, habitada muitas mulheres Hmailton do Pan africanista cimarron tradiccion política de condicones Brasil que estudou e demonstrou e se virou e lutou e denunciou o origem Africano negra de genocídio no Brasil, exigindo reparação por séculos de escravidão. Foi considerado o líder Africano contemporâneo mais proeminente e lutou no Brasil desde a época de Zumbi. Hamilton nasceu em uma comunidade familiar e Africano de Salvador de Bahia. Desde os seus primeiros passos, ele dedicou sua vida para se tornar um revolucionário Pan-africanista, militando nas lutas dos negros no campo e denuenciado negros da casa, vindo a traduzir a teoria da opressão Africano na América Latina para a sua língua, kilombismo.  O trabalho de Hamilton explica África para o mundo, eo mundo é compreendido através kemitismo do tempo e da determinação dos negros queimando plantio no campo, matar o mestre e pendurar seu tom tio. Apesar de contrainsurgência e os turbulentos anos da revolução, independência, crise liberdade e esplendor da Quarta Internacional, que correspondem ao trânsito da destruição do movimento revolucionário negro para um novo descolonização da conferência de Durban eo fim de MNU eo choque de civilizações que é encenado no reparo preto e serão, para todos os que amo Hamilton, muito mais do que um pano de fundo: o teatro de um homem de pensamento e ação. Hamilton substância de vida o sentido da vida em sua militância e política, intelectual, doutrinária de suas palestras, marchas, escrita, atitude e compromisso que a tradição esgotado as possibilidades da existência de preto casa grande em sua aventura da vida . Hamilton tem hehco muitas coisas em muitas coisas em muitos lugares, e tudo o sonhos outra pessoa, por exemplo, os sonhos de mundila marcha contra o genocídio preto, por ter sido libertação, justiça histórica Afrocentricity das famílias negras estupradas durante projetada 500 anos - e por este aniversário tem uma vocação pan-africanista e universal, Hamilton transcende as fronteiras, corações e integra várias disciplinas. Hamilton é importante porque vive para além da sua própria existência, e também o seu trabalho transborda seu próprio canal.
E você tem que dar valor e tornar este grande sacrifício de Hamilton com nossa grande referência para alguém se lembra, mas o que fazemos, porque graças ao seu trabalho como chefe da Quarta Internacional no sentido do movimento do Pan-africanista construiu uma estratégia eficaz e fez uma análise precisa da situação .... houve uma análise precisa com base o que significa a reparação ... e eu acho que você tem que aprender com isso ..e então precisamos valorizar uma análise exacta e ver o estágio em que estamos eo que precisamos hoje. Para abordar o genocídio que já começou com Lula e continuou Dilma graças ao camarada hamilton nossa força política que fez uma aposta política teórica para campo preto e onde quer que os africanos estão espalhados por todo o mundo contra o neocolonialismo doméstica ou de genocídio . Na verdade, é a manifestação de nosso dever como quilombolas expor oportunismo e traição do movimento de libertação Africano no Brasil de outros que fazem jantares glamour, enquanto as mulheres negras são mortos nas favelas, eles falam da beleza no youtube.  irmãs, mantemos plena confiança em Hamilton Borges Onirê para superar as dificuldades . E 30 anos depois, o tom tio falhou porque hamilton pelo líder do povo do campo preto, continuamos combatendo mestre impiedosamente preto e sua casa e como Lumumba ia dizendo, os heróis nunca morremporque, como disse no congresso de Barcelona, em 2012, o movimento pan-Africano não nasceu para resistir, nasceu para ganhar e vamos ganhar. Temos confiança no nosso grande líder Hamilton por sua honestidade, coragem e visÃo: o que nos guia para continuar pendurado o tio Tom daqui ... manter os olhos abertos. Antes do genocídio preto. 

Esta reflexion você pode apoiarla e ampliarla entre las favelas  socializar-la em sua web rádio, tv, falando sobre o assunto ou convocado em frente à embaixada do Brasil sua cidade uma concentração de protesto. Como movimento transversal revolucionario negro e interclassista, mas sob a hegemonia pequeno-burguesa tio tom, obviamente arrasta um conjunto de contradiçons, mas até o momento semelha existir um acordo tácito sobre a estratégia da chamada "Via kilombista" estruturada sob a ambígua palavra de ordem do "la organizacion de base de comunidade negra sem ella jamais tinham chegada tão Longe". 


jueves, 16 de agosto de 2018

WORLD MARCH AGAINST AFRICAN GENOCIDE IN BRAZIL.

GARVEY DAY- 2018 Agoust 25th 


MARCHA MUNDIAL CONTRA EL GENOCIDIO AFRICANO EN BRASIL 

 One  year more  On the most eminent African MARCUS GARVEY DAY, urden the motto 'CONTRA EL GENOCIDIO NEGRO NI UN PASO ATRAS', we call RALLY
  WORLD AGAINST AFRICAN GENOCIDE IN BRAZIL. This year Colombia is the guest country by 4º Internacional Panafricanista Garveyista Cimarron. We celebrate too the anniversary  fundation on Pan-African scholar Winnie Mandela, an Afro-centric and community school dedicated to African children in Brazil. We will manifest ourselves in all the streets of Salvador de Bahia, São Paulo, Brasilia, rio de Janeiro, Curitiba, Belo Horizonte, Fortaleza, Porto Alegre and 10 cities more ( infront the world infront of Brazilians embasies) . Summoned by 4th International Pan-African Garveyist Cimarron, we demand the end of the genocide and the murders against the black community and African youth (Hip-Hop generation) that are being murdered by police, guard, military police or paramilitars groups   and  white supremacy in Brazil and Colombia. The majority of those murdered in Colombia and Brazil are community political leaders of the black people that the State eliminates to steal their lands, confess the favelas for luxurious apartments for the Olympic Games or the World Cup, thus making the black population aware. The election of the political rights of the African social majority through the REPARATION BY CENTURIES OF SLAVERY COLONIALISM, APARTHEID. 


This genocide is made with the  complicity silence of the different governments, media (o globo, RTVE, RNE, the Spanish Agency for International Development Cooperation (AECID), the European Union,  American Development Bank, United Nations,  Organization of American States,  Bolivarian Alliance for the Peoples of Our America,  African Union,  General Secretariat Iberoamericana,  biggest NGOs, and uncle toms such Pastor Elias CERD-UN, Doudu Diene UNESCO etc ... with this they silence and empty the Afrodescendant decade that the Africanists conquered in the UN.

From our 4IGPC foundation, our organization has opted for the restructuring of the international African Movement of Marcus Garvey from the reparation and other unitary spaces. This commitment implies the public projection through unitary bodies and responds to the need to obtain a capacity for mobilization and incidence that we would not have. But 4IPGC represents a concrete and strategic line of ideology that could be defined by the following points: Panafricanism without ambiguities in relation to autonomy as well as with the territoriality of the African nation promised by Garvey. Construction of a revolutionary cimarrona alternative and willingness to participate in the struggles of the African working class, linking them to the national liberation project. Prioritization of popular struggles against the tendency to bet the entire Movement's future in the institutional front.

unite and Support for all forms of black struggle, organization and the desire to print combat against popular movements. The sectors that share these principles with us have grown since then. But we remain the only organization in which the adhesion to all these principles is both unquestionable and unquestioned. And this does, not only that our organization is necessary, but also its external projection. If we want to continue extending these principles to the whole Movement, we need an organization:

Ensure the centrality of the Pan-Africanist struggle in the strategy of the national liberation movement or African fundamentalism. That guarantee the integrity of the program repaired conquered in Durban 2001 without waiving any type (reparation). Having such an organization is a guarantee to prevent the movement of African liberation among the 200 million Latin American Africans being instrumentalized by interests beyond those of the wild and never more than Uncle Tom and their international orgnism.

In the same way that it is tried to avoid that the current iberoamericqno racist interdisciplinary system is called into question. International organizations and organizations are trying to absorb the African liberation struggle and make a market, but in no case do we use the spheres of folklore liberation if they are part of the neo-colonial logics, since we can not be free if they kill us and that is not in equality, an equality that no longer happens to fight against genocide, discrimination and exploitation but to conquer the reparation through the POWER OF THE MOST NEGATIVE SOCIAL. The fruits of the well-known folklorism only encompass social sectors that can afford to recreate spaces other than social dynamics, occupational concerns. These, indiscriminately, are classics. We can not speak of liberation if this is not total and it can not be if the struggle to achieve it does not have the front-line demand for the obstacles that the working class must fight against. The African liberation must go through the organic and internacionalist liberation.

Precisely aware of this need, we take this march with pride in knowing about the fight and knowing the street. A pride that takes the flag of the Black and Green Red fight as long as MALCOLM X said under the class-consciousness of the Field Niggers. Today we are fighting and we are recovering as figures present throughout history, we put forward activists for the rights to life that have marked our past for today to make us aware of the need to reverse the present and win the future.

This year on Agoust 25th in a festive and afropositive atmosphere, but certain tens of thousands of citizens rastafaries, black nationalist, students arrived, artist in more than a hundred buses from all points in the world,  we will accompany the relatives of the assassinated leaders at this historic march. There will be music and a stage from where the speeches of the leaders Reaja campaign will take place. How can you support?,  socializing this information, translation,  on your web radio, tv, talking about the topic or convened  a concentration of protest in front of the embassy of Brasil or Colombia in your city.
See you on the 25th of August with Kilombo X, Comandante Hamilton  and campaign reaja in the streets of Salvador.  

UHURU!

ABUY NFUBEA 
4th International Pan-African Garveyist Cimarron
General secretary of